sábado, 18 de julho de 2009

O QUE FAZER COM UM MILHAO DE AMIGOS?

(Autor: Antonio Brás Constante)

 

Nos tempos da jovem guarda um dos hits de sucesso era aquele que dizia: "eu quero ter um milhão de amigos...", algo que provavelmente só poderia ser possível na china, onde existem mais de um bilhão de habitantes, ou seja, alguns milhões seriam quase nada. Não é à toa que se os chineses resolvessem pular da cama todos ao mesmo tempo, e tropeçassem, e ao tropeçar se agarrassem ao ropeiro e o ropeiro também caísse, a onda sísmica provocada causaria devastadoras catástrofes e até mesmo, porque não dizer, catástrofes devastadoras (talvez isso explique porque milhares de chineses vivem em condições desumanas, morando em lugares apertados, onde ninguém conseguiria pular, ter uma cama, ou quem dirá então, um armário).

 

Se a música fosse sucesso nos dias de hoje, alguns até poderiam pensar que para tornar realidade tal desejo de ter tantos amigos, bastaria se cadastrar em algum site de relacionamento como o Orkut (onde tudo que escrevemos é interpretado como SPAM e bloqueado). Mesmo assim, um milhão de pessoas é muita gente. Para se ter uma ideia do montante, mesmo no orkut, o indivíduo teria que adicionar a cada dia cem novos amigos, e ainda assim, ele precisaria de, aproximadamente, uns trinta anos para conseguir alcançar a cifra milionária (salvo se ele utilizasse alguma falcatrua virtual, dessas que o orkut não pega por estar mais preocupado em infernizar seus usuários normais que somente querem trocar mensagens com seus amigos).

 

Caso, milagrosamente, alguém conseguisse tantos amigos, e resolvesse ligar para eles ao menos uma vez por ano, teria quer gastar no máximo doze segundos com cada um, e teria que utilizar dez horas por dia nessas ligações, durante o ano inteiro para falar com todos eles. Falaria apenas um mero "olá", e ouviria um "tudo bem", deixando a seqüência da conversa para o próximo ano.

 

Se quisesse presenteá-los, também ao menos uma vez por ano (afinal, eles são seus amigos), comprando presentes em lojas de R$ 1,99, gastaria anualmente quase dois milhões de reais em lembrancinhas (sem calcular o valor do frete, etc). Claro que haveria a contra partida, já que também receberia presentes deles (sem ter espaço para guarda-los). Reunir os amigos para uma festinha? Nem pensar, pois além do gasto absurdo, este número de pessoas lotaria quase dez estádios de futebol, do tamanho do Maracanã.

 

Vi em uma reportagem que cada pessoa se relaciona com aproximadamente de 1.700 outras pessoas durante sua vida (entenda-se por relacionamento qualquer ato onde pelo menos ela acabe conhecendo o nome de seus contatos), um número bem aquém do vultuoso milhão almejado pelo Rei.

 

Dependendo da situação, até que o tal milhão não representaria muita coisa, por exemplo, um milhão de cruzeiros hoje em dia não é nada, mas já representou fortunas, ou nem tanto, visto que chegamos a ter em nossa economia notas de 500.000,00 (quinhentos mil cruzeiros), que eram utilizadas para pagar, entre outras coisas, o salário mínimo da época. Por isso, os desejos (quando financeiros) devem ser sempre feitos em dólar, para que no eventual acaso de que sejam atendidos, não fiquem defasados.

 

No que diz respeito à amizade, a qualidade tem muito mais valor do que a quantidade. Boas amizades necessitam de doação de ambas as partes, de companheirismo e dedicação, entre tantos outros ingredientes, para se enraizarem, e tudo isso demanda tempo. Enfim, quem quer ter um milhão de amigos, acaba por não ter nenhum.

abrasc@terra.com.br

 

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

 

SUGESTÃO: Divulgue este texto para seus amigos (vale tudo, o blog da titia, o orkut do cunhado, o MSN do vizinho, o importante é espalhar cada texto como sementes ao vento). Mas, caso não goste, tenha o prazer de divulga-lo aos seus inimigos (entenda-se como inimigo todo e qualquer desafeto ou chato que por ventura faça parte de um pedaço de sua vida ou tente fazer sua vida em pedaços).

 

NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Valeu pela preferência".

 

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".

 

 


2 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Sr. Antonio:
Antes de mais nada, obrigada pela visita ao meu Blog FEMININA.
Como o senhor, gentilmente, me pediu para conhecer os seus textos e se me interessasse por algum o publicasse, venho dizer-lhe que já o fiz no meu Blog O QUE ME DER NA TELHA: http://renata-oquemedernatelha.blogspot.com
Feliz DIA DOS AMIGOS!!!
Um abraço,
Renata Cordeiro

BANDEIRAS disse...

Olá,
Eu acho, meu caro Antônio, que é melhor ter um amigo, mas saber que se pode contar com ele, do que 1000 e estar só qdo se precisa.

Gostei muito daqui, com certeza voltarei.

Abraços.